Você está lendo sobre o velho safado

sobre o velho safado

  • segunda-feira, 12 de janeiro de 2009
  • Wash.
  • Acho que são essas - entre outras coisas - que fazem de Bukowski um dos melhores escritores de toda uma geração. tudo bem, eu sei que existe um certo frisson sobre a exaltação da marginalidade, alcoolismo e essas coisas escrotas que o velho safado escrevia, mas isso já nem é problema meu. depois de anos descobriram que esse filho da puta era bom, e daí? azar de quem chegou tarde. o lance é que entre uma e outra releitura de seus contos, as vezes me deparo com trechos que já tinha lido antes e me mijado de rir, e depois de anos eu releio e tenho a mesma reação. como esse trecho:

    "se passo um dia sem cagar, não consigo sair nem fazer coisa alguma, fico tão desesperado que muitas vezes tento até chupar o meu proprio caralho só pra ver se dá pra tirar a rolha do intestino e esvaziar tudo de novo. E quem já tentou chupar a própria pica sabe perfeitamente o esforço tremendo que isso exige dos ossos da coluna, da nuca e de tudo quanto é musculo, enfim.

    a gente bate aquilo até ficar o mais comprido que pode, depois é preciso dobrar o corpo de fato feito qualquer desgraçado suspenso num pau de arara, com as pernas passando por cima da cabeça e presas à cabeceira da cama, o cu se retorcendo como pardal morrendo na geada, espremendo ao maximo o barrigão repleto de cerveja, todo o revestimento dos musculos quase estourando em frangalhos, e o que mais dói é que não se fracassa por trinta ou sessenta centimetros - mas por coisa de milimetros: a ponta da lingua quase tocando na cabeça da pica, mas o tempo que se leva e a distância que não se alcança poderiam equivaler tanto a uma eternidade como a cinquenta quilometros. deus, ou seja lá que porra for, sabia muito bem o que estava fazendo quando nos criou."

    (trecho do conto "O Hospicio logo a leste de Hollywood")

    agora diz: que tipo de genialidade - ou derrotismo - faz um cara escrever sobre perder corridas de cavalo, acordar vomitado e cagado na rua sem saber como foi parar lá, ou tentar chupar a propria pica, entre outras coisas?? outra coisa que me intriga. sem querer parecer um comentário segregante, mas sem fazer rodeios: como um cara com a capacidade social que ele se apresentava - amigos daquela estirpe, só conseguia sub-empregos, perfil de iletrado e vagabundo... como um cara assim escrevia tão bem??? well, sei lá. só sei que saia bom. é cativante. pena que a maioria de nós que lemos nunca entenderemos de fato do que se tratava essas coisas. eu nunca tive de dormir na rua de fato, por falta de opção. nem nunca fui jogado pra fora de um bar; já fui convidado a me retirar, mas não socado e jogado pra fora... enfim, não tenho e não conheço ninguem que tenha esse "apuramento prático" pra escrever sobre essas coisas. sem contar que o velho era forte, era um tipo bem durão pra aguentar tudo o que relata que passou. bom, ao menos ele sabia rir da propria desgraça, afinal a estoria sempre fica mais engraçada quando a merda toda já passou...

    1 coffee junkies:

    1. coelho_harmonico disse...
    2. só tu de férias mesmo pra postar todo dia no blog! acho chique!
      henry chinasky é vida. (L)

      13 de janeiro de 2009 01:21