Você está lendo sobre a insignificância da grandiosidade

sobre a insignificância da grandiosidade

  • terça-feira, 9 de março de 2010
  • Wash.
  • conforme fatos e acontecimentos vão se precedendo, com o tempo fica cada vez mais claro, ao que parece, que são nos momentos mais cretinos que se têm os melhores insights.

    tava lá eu de novo no meu ostracismo, assistindo tv. mudo de canal, paro numa matéria de jornal sobre deficientes fisicos e soluções práticas, e algumas fisioterapeutas de atividades ocupacionais tiveram uma ideia absurdamente simples: dobrando alguns ferrinhos maleáveis, facilitam e aliviam a vida de quem tem que desenvolver os afazeres do dia-a-dia, mas não possuem a praticidade que a maioria das pessoas possuem pra realiza-las. ferrinhos maleáveis, vejam só... agora eu fico pensando em teses, palestras, teorias, a busca clinica profissional por soluções, a ciencia mais moderna e milimetricamente exata sendo utilizada... e vai lá uma estudande observadora, entorta uns ferrinhos e voilá!!... resolve os problemas de meio mundo!

    não estou reclamando da ciência e da tecnologia, nem cabe a mim essa prerrogativa, já que é de minha crença que graças à evolução da ciência, da medicina, da filosofia iluminista, ao pensamento moderrrno enfim, que nosso mundo "civilizado" não é mais controlado pela fé e pela religião. ou pelo menos uma parte dele. uns 35% dele, vai...! mas de fato essa não é a questão, e pra isso nem vou me estender: o caso é que as pessoas - eu, você, enfim, as pessoas - tem a péssima mania de complicar o descomplicado, de não enxergar soluções simples, de não enxergar simplicidade no complexo enrosco de teorias, fobias, regras, direitos e deveres, hierarquias e taboos, que criamos para convivermos com o minimo de descência que a racionalidade - e a consequente consciência de ser racional - nos cobra. é tudo tão complicado que se esquece do que é simples.

    e sobra para a comunidade cientifica, com toda sua grandiosidade e eloquência, adicionar silenciosamente esses pequenos detalhes, disfarçadamente, como se eles sempre existissem, como se eles estivessem ali desde o inicio de tudo e de repente a ciência se faz dizer "aah! pode crer! então! eu já sabia! só não queria dizer...", e se recolher em sua ineficácia e insignificância, tendo que engolir um sapo-boi sem nenhum cafézinho pra ajudar a descer, exatamente por não prestar a atenção nos pequenos detalhes. knowledge is the true punk way-of-life, pessoas.

    ok, então eu mudo de canal e tá passando o programa do Datena. eu deixo lá: quem sabe me ocorre outro insight, né...

    6 coffee junkies:

    1. Marcelo Mayer disse...
    2. hj existe mais inteligência para explicar o universo e colocar o homem marte do que nivelar as calçadas para os cadeirantes.

      9 de março de 2010 19:16
    3. Wash. disse...
    4. u got it, marcelo mayer!

      9 de março de 2010 21:19
    5. Descobrindo Um Novo Ser Lunático disse...
    6. Assisti uma reportágem a respeito e lembro-me de que estavam colocando uma puta ! para tal feito (de repente nem estavam exagerando tanto e sim eu que senti-me inútil hehehe). Pois bem, ótima por sinal, na verdade é isso mesmo, tudo é tão complicado que nos cabe parar diante das barreiras e não enxergar soluções absolutamente simples bem na nossa cara...

      Boa sorte com o Datena, não suporto esses programas ! Muita fala e pouca ação....

      Ótimo texto !

      Bjsss

      10 de março de 2010 08:23
    7. Descobrindo Um Novo Ser Lunático disse...
    8. I'm literally insane! I loved the footnotes, beautiful message.

      Hugs.

      Le.

      10 de março de 2010 08:29
    9. Rea disse...
    10. gsotei! por essas e outras que digo que "menos é mais".

      13 de março de 2010 17:58
    11. Correção disse...
    12. Hum... Datena não daria um insight, muito menos o programa dele, mas pensando por outro lado, já é bem absurdo facilitar sua percepção assistindo tv.

      14 de março de 2010 18:40